Morre aos 60 anos Diego Maradona

Imagem de arquivo de Maradona com a camisa da Argentina, em 18 de junho de 1990

O ex-jogador Diego Maradona, maior jogador argentino de todos os tempos e um dos maiores do mundo, morreu nesta quarta-feira (25).  Ele sofreu uma parada cardiorrespiratória. Maradona passou por uma cirurgia no cérebro no começo do mês.

Maior jogador argentino da história, venceu a Copa de 1986 com a seleção argentina, quando protagonizou lances históricos como o gol da “mão de Deus”, contra a Inglaterra. Conhecido também pelo vício em drogas, contra o qual lutou a maior parte da vida e lhe rendeu problemas de saúde, é um dos maiores ícones da cultura argentina.

No Brasil, a rivalidade com Pelé, que renderia intermináveis discussões sobre quem seria o melhor, tornou-se tema de qualquer conversa sobre futebol.

Maradona, no entanto, sempre dizia que sua primeira inspiração no esporte era justamente um brasileiro:  Roberto Rivellino, ídolo do Corinthians e do Fluminense.

Atualmente, Diego era treinador do Gimnasia La Plata, da Série A argentina, depois de ter treinado equipes no México e no mundo árabe, além da seleção argentina na Copa de 2010.

O início na Argentina

Nos clubes, fez história no Boca Juniors e no Napoli, onde foi campeão italiano e da Uefa.

Nascido no bairro pobre de Villa Fiorito, na periferia de Buenos Aires, em 1960, se destacou desde cedo pela habilidade e a imparável canhota. Chegou ao futebol profissional pelo Argentinos Junior ainda na década de 70.

Ainda no sub-20, foi campeão mundial pela Argentina. No Mundial de 78, disputado na Argentina, foi preterido pelo técnico Cesar Luis Menotti, que não o levou para a Copa.

Logo despertou a atenção do Boca Juniors, para onde se transferiu em 1981 e sagrou-se campeão argentino.

Primeiro Mundial e Barcelona

O futebol exuberante de Diego chamou a atenção do Barcelona, que o comprou antes do Mundial da Espanha. Na Copa, no entanto, sua participação foi marcada pela derrota para o Brasil de Zico, Falcão e Sócrates. Naquele jogo, Maradona saiu expulso.

Foi no Barcelona, segundo seus principais biógrafos, que Maradona se envolveu com o vício que marcaria sua carreira: a cocaína. Não se destacou na Catalunha e acabou transferindo-se para o Napoli.

O Rei De Nápoles

O sul pobre da Itália acolheu Diego como um filho e em Nápoles ele, em retribuição, abraçou a cidade. Na temporada 1986-1987 ele brilhou contra a poderosa Juventus, símbolo do norte rico e poderoso do país. Ele ainda venceria a Copa da Uefa e outro título italiano.

Os títulos não dizem, no entanto, o que foi Maradona no Napoli. Gols, dribles e passes geniais, muitas vezes impossíveis, o tornaram quase uma religião na cidade.

A Copa de 86

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *